You have not accepted cookies yet

This content is blocked. Please accept marketing cookies. You can do this here.

Os sistemas de energia urbana são a chave para cidades neutras em carbono?

Out 11, 2022

Carolien Gehrels

Global Solutions Director – Energy Transition

O setor de energia é responsável por mais de dois terços das emissões globais de gases do efeito estufa (GEEs), contribuindo diretamente para as mudanças climáticas provocadas pelo homem. Para acelerar a transição para um mundo neutro em carbono, o setor de energia global deve estar na vanguarda da mudança. Todos os outros setores, incluindo transporte e indústria, dependem de uma rede descarbonizada para atingir suas próprias metas Net Zero (neutralidade de carbono). No entanto, quando se trata de nossas cidades, os lugares onde todos vivemos, trabalhamos, nos movemos e socializamos, como é realmente uma “cidade neutra em carbono”? E que passos práticos podemos tomar para chegar lá?

 

Talvez a primeira pergunta deva ser: por que focar nas cidades em primeiro lugar? Elas representam menos de 2% da superfície da Terra. No entanto, de acordo com a UN-Habitat, elas consomem mais de três quartos do suprimento de energia do mundo e produzem mais de 60% das emissões de gases do efeito estufa.

E a tendência é aumentar.

Até 2050, mais 2,5 bilhões de pessoas residirão em áreas urbanas, atraídas pelo maior acesso a empregos, moradias, transporte, cultura e lazer. Esta promessa de uma melhor qualidade de vida também traz consigo uma maior pressão sobre os recursos. Mais veículos na estrada, mais demanda por serviços públicos, mais pessoas usando edifícios ineficientes em termos de energia e mais construções com uso intensivo de carbono. Tudo isso contribui para aumentar as emissões de GEE, ameaçando a saúde humana, o bem-estar e a prosperidade econômica de longo prazo.

Considerando os muitos desafios da urbanização, como podemos continuar a proteger a promessa da vida urbana, enquanto ainda reduzimos as emissões de carbono?

A resposta está na criação de um mundo Net Zero. As cidades neutras em carbono são o futuro, e a transição de energia é o primeiro passo para criar esses espaços urbanos sustentáveis. Isso significa fazer uma mudança consciente de soluções de energia baseadas em combustíveis fósseis para as baseadas principalmente em fontes de energia renováveis, que se baseiam nos pontos fortes de nossas cidades, o que possibilitaria a neutralidade de carbono.

O setor de energia detém a chave que pode desvendar as soluções de que precisamos para enfrentar as mudanças climáticas. E, criticamente, essas soluções terão o máximo impacto se forem implementadas em nossas cidades.

 

Como será a cidade neutra em carbono do futuro?

Os impactos das mudanças climáticas são universais, mas cada cidade é única em sua cultura, seu acesso a recursos, sua geografia e topografia e, igualmente, como ela se dispõe a enfrentar os desafios da sustentabilidade. No entanto, há algumas considerações comuns.

Como descobrimos no nosso recente Arcadis Sustainable Cities Index 2022, as cidades mais prósperas são aquelas que não apenas apresentam bom desempenho econômico, mas que também atendam aos objetivos de sustentabilidade e planetários. Para fazer isso, é necessário fazer investimentos inteligentes e direcionados, particularmente em política social e estratégia ambiental.

Em nosso relatório, as cidades com classificação mais alta são aquelas que colocam as necessidades de seus cidadãos em primeiro lugar e que garantem que as políticas públicas, o consumo de energia e as emissões de gases do efeito estufa sejam considerados sob uma perspectiva de longo prazo.

No que se refere à neutralidade de carbono, a primeira prioridade claramente deve ser a redução do uso de energia. Para isso, precisamos acelerar o desenvolvimento de infraestrutura verde; aumentar o investimento em tecnologias de energia renovável, como energia solar, eólica onshore e offshore e energia hidrelétrica; e acelerar tecnologias de emissões negativas, como captura e armazenamento de carbono.

Antuérpia é um ótimo exemplo de uma cidade fazendo mudanças positivas. Classificada no top 10 no pilar Planeta do Sustainable Cities Index, a Antuérpia quer ser neutra em carbono até 2050 e alcançar uma redução de 50 a 55% nas emissões de carbono em comparação com os níveis de 2005 até 2030. Para ajudar a alcançar essa visão, estamos trabalhando em parceria para criar uma estratégia para uma complexa rede de aquecimento distrital. Esta será a primeira estratégia para a Bélgica, retirando calor residual de empresas industriais e desviando-o para outros edifícios através de uma rede subterrânea. Espera-se que isso não apenas ajude a Antuérpia a atender a 10% de suas necessidades de aquecimento até 2030, mas que outras cidades e municípios se inspirem a tentar uma abordagem semelhante.

 

A Alemanha oferece outro exemplo. Em quinto lugar geral no nosso relatório, sua capital Berlim emergiu como uma das cidades mais sustentáveis do mundo. Com um desempenho particularmente bom em termos de níveis relativamente baixos de exposição ambiental, uma das maiores áreas de oportunidade para Berlim é reduzir ainda mais suas emissões de gases do efeito de estufa. É exatamente isso que estamos ajudando a fazer no The Walter, um campus industrial proposto situado perto do novo Aeroporto Internacional de Berlim Brandenburg. O empreendimento está sendo planejado para abrigar escritórios, hotéis, salas de congressos, logística e indústria leve; e nosso papel na determinação de suas demandas de energia e, portanto, sua estratégia de fornecimento de energia, será fundamental para o progresso.

 

Criação da estrutura para a mudança

Como podemos ver, as cidades precisam ter uma visão clara para o futuro e tomar medidas decisivas. O envolvimento do público é importante, mas o maior progresso virá dos governos nacionais e municipais, estabelecendo metas oficiais e implementando a estratégia para alcançá-las.

Em todo o mundo, governos, municípios e órgãos governamentais reconheceram a necessidade de acelerar a transição para a neutralidade de carbono. Nos últimos anos, já vimos várias legislações sendo promulgadas para ajudar a criar a estrutura para cidades mais neutras em carbono. Isso pode variar de injeções maciças de capital, como a recente alocação histórica de US$ 369 bilhões do Senado dos EUA para combater as mudanças climáticas, bem como diretrizes abrangentes, como o Pacto Verde Europeu e acordos específicos de países, como o Acordo Nacional do Clima da Holanda, que foi projetado para ajudar setores específicos a atingir suas metas climáticas.

Com tantas ações positivas já em andamento, há muito que as cidades podem aprender umas com as outras. Compartilhar soluções de práticas recomendadas e colaborar entre fronteiras é uma das melhores maneiras de criar um impacto real. Do acesso compartilhado à infraestrutura de energia até a transferência de habilidades e conhecimentos, as soluções mais impactantes serão aquelas que podem ser adaptadas e replicadas em cidades de todo o mundo.

Vejamos o que está acontecendo na Austrália, por exemplo. Embora estejam atrás de algumas de suas contrapartes europeias no nosso mais recente Sustainable Cities Index, muitas cidades australianas estão começando a melhorar, investindo em infraestrutura e garantindo que a sustentabilidade seja incorporada como parte da identidade de sua cidade.

Isso fica evidente no trabalho que estamos fazendo na região de Daintree, no extremo norte de Queensland, uma área conhecida por sua floresta tropical protegida do Patrimônio Mundial e sistemas ecológicos únicos. Aqui, estamos trabalhando com a Volt Advisory para projetar o Daintree Microgrid. Anteriormente, mais de 4 milhões de litros de diesel eram queimados todos os anos, mas agora o Microgrid permitirá que a energia renovável forneça mais de 90% da energia para moradores, operadores turísticos e empresas locais, e até 100% onde não há eventos climáticos severos. Este é um divisor de águas não apenas do ponto de vista ambiental, mas também em termos de benefícios para os moradores e empresas locais.

Da mesma forma, se cruzarmos o Pacífico, há também alguns aprendizados importantes que podemos tirar dos EUA. Anteriormente, concluímos uma auditoria de energia em toda a cidade de Wallkill, no estado de Nova York. O projeto foi cofinanciado pela Autoridade de Pesquisa e Desenvolvimento de Energia do Estado de Nova York e incluiu vários edifícios, uma prefeitura, garagem, sistemas de transporte e tratamento de água e esgoto e o centro comunitário.

 

Precisávamos rever o uso de energia existente e ver onde poderiam ser feitas as potenciais economias. Foram identificadas oportunidades de economia para reduzir o consumo de energia em quase 15%. Além disso, também analisamos o reaproveitamento de um aterro de 15 acres em uma usina de energia solar. O projeto foi considerado viável técnica e financeiramente e foi implementado por meio de um Contrato Virtual de Compra de Energia, com a Arcadis fornecendo serviços de coordenação de concessionárias, licenciamento ambiental, projeto detalhado, gerenciamento de construção e comissionamento. Isso não apenas deu nova vida a uma área de terra anteriormente abandonada, mas o sistema de eletricidade fotovoltaica de 2,4 MWdC produzirá eletricidade limpa suficiente para abastecer 300 casas todos os anos.

 

Qual será o custo?

Ninguém contestaria o imperativo moral quando se trata de enfrentar as mudanças climáticas. Muitas vezes, porém, o custo é o maior ponto de discórdia quando se trata de implementar soluções neutras em carbono em nossas cidades. De acordo com a Net Zero Europe, cerca de metade do investimento necessário para apoiar a transição de energia não tem um case de negócios positivo.

Se quisermos superar esse obstáculo, tanto os governos quanto as empresas precisam começar a trabalhar mais juntos. Aqui na Arcadis, muito do nosso trabalho é ajudar a facilitar essas conversas. Sem dúvida, é necessário um investimento maciço, juntamente com medidas que possam permitir um planejamento e licenciamento mais suaves na geração, transmissão, armazenamento, distribuição e redes locais de energia.

A Holanda, por exemplo, é um dos países que busca acelerar sua transição para um fornecimento de energia sustentável, confiável e acessível. A cidade de Roterdã em particular, atualmente em 12º lugar em nosso relatório, está focada na transição de energia e há alguns grandes exemplos do trabalho que a cidade vem realizando para alcançar a neutralidade de carbono. Veja o que está acontecendo em Schouwburgplein, uma praça altamente urbanizada no coração da cidade. Aqui estamos trabalhando para desenvolver um sistema de energia neutro em carbono, baseado no armazenamento de água e um sistema de geração de energia renovável e recuperação de água. A praça já era 40% neutra em relação ao clima em 2020 e continua a caminho de ser à prova de mudanças climáticas.

 

Como vimos, o setor de energia é vasto e se mostrou inovador quando se trata de atender às crescentes necessidades de energia em nossas cidades. Mas ainda não estamos satisfeitos. A descarbonização é crucial quando se trata de alcançar metas de neutralidade de carbono mais amplas, mas requer compromisso e cooperação entre todas as partes.

Cidades neutras em carbono podem ser uma realidade se trabalharmos coletivamente para compensar os piores efeitos da crise climática. A mudança precisa acontecer rapidamente e precisa acontecer agora. Temos o conhecimento e a experiência para tornar isso possível, cocriando soluções de energia urbana que são neutras em carbono, inclusivas e sustentáveis.

Este artigo é o primeiro de uma série de insights em que exploramos as etapas práticas que as cidades podem adotar em sua jornada para se tornarem neutras em carbono. Fique ligado para mais atualizações.

 

Learn more about what goes into creating prosperous cities in the Arcadis Sustainable Cities Index 2022

The Arcadis Sustainable Cities Index 2022

AUTOR

Carolien Gehrels

Global Solutions Director – Energy Transition